Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Arte da Simplicidade

"Se vives de acordo com as leis da natureza, nunca serás pobre; se vives de acordo com as opiniões alheias, nunca serás rico." (Séneca)

"Se vives de acordo com as leis da natureza, nunca serás pobre; se vives de acordo com as opiniões alheias, nunca serás rico." (Séneca)

A Arte da Simplicidade

13
Jul17

Sítios onde vale mesmo a pena ir #2 - Constância


Margarida

Com as Férias de Verão quase a acabar para uns e ainda longe para outros trago-vos hoje uma sugestão para uma escapadinha sobretudo para quem procura tranquilidade. Venho apresentar-vos a Vila de Constância!

Constância é uma pequena vila, sede de concelho, no distrito de Santarém e próxima das cidades de Abrantes e Tomar e do Castelo de Almourol (possível de visitar saindo ora de Tancos ora de Vila Nova da Barquinha) 

Nela podemos encontrar um interessante jardim de homenagem a Luís Vaz de Camões, que ali viveu em auto-exílio depois de uma paixão avassaladora, e infrutífera, por Catarina de Ataíde. 

Esta pequena vila ribatejana conta ainda com uma praia fluvial, na confluência do Rio Tejo e do Rio Zézere. 

Sendo uma vila pequena e pacata é acolhedora pela sua organização e por se respirar história e romantismo em cada recanto. 

Caso esteja, ou faça uma escapadinha, ao Ribatejo não deixe de passar por lá. 

Imagens recolhidas da net devido a problemas com a minha camara fotográfica 

02
Jul17

Vamos falar de tempo livre! Uma necessidade ou um luxo?


Margarida

Uma amiga comentava comigo que deixou um trabalho que tinha a mais do seu "horário laboral". Segundo ela o projeto que era inicialmente "pequeno" e que lhe ocupava apenas uma noite por semana cresceu e passou a passar quatro noites por semana fora de casa não tendo assim tempo nem para a família, nem para o namorado, nem para os amigos e, para não lhes faltar a eles todos, acabou por se esquecer do que era cuidar dela própria. 

As suas hesitações foram muitas: se de um lado o dinheiro lhe dava jeito mesmo que não precise dele para comer, do outro está toda uma sociedade que nos diz "trabalha cada vez mais porque tens a sorte de ter trabalho e há muita gente que quer e não tem". E com o passar do tempo aquele "tempo extra" que até lhe dava gozo e num projeto que ajudou a construir estava a tornar-se num peso e numa fonte de preocupações e inquietude e onde já ninguém se sentia totalmente satisfeito. 

Com o seu desabafo lembrei-me do meu próprio percurso. Como já vos disse em alguns posts anteriores eu própria sofri de "burn-out" e ansiedade numa determinada fase da minha vida. Fui medicada para esse efeito e, apesar da fraca dose de antidepressivos e calmantes, só consegui deixá-los completamente à cerca de 2 meses.

Ninguém é, nem nunca foi, culpado pelo meu estado de saúde que foi fruto essencialmente de horas e horas de trabalho, num emprego que não me dava prazer nenhum (apesar de fazer "aquilo" para que supostamente tinha estudado), ainda mais horas para fazer uns domicílios para aumentar ligeiramente o salário que era baixo, bem baixo para as minhas habilitações académicas e passar os fins de semana a tentar recuperar das horas de sono e do cansaço acumulado.

O tempo fugia-me por entre os dedos e com ele todas as actividades que gostava de fazer. Deixei primeiro de ter tempo para mim e depois para os outros. E quando assim foi o caos instalou-se. E demorou a que conseguisse por tudo em ordem tendo para isso que procurar um novo emprego e, como não o consegui em Portugal, fí-lo noutro pais. 

Hoje posso dizer que tenho tempo para tudo, mesmo com noites, fins de semana e feriados a trabalhar. Continuo a passar muitas horas no hospital mas aprendi a comandar o botão "on/off" e a organizar-me. Se esta semana trabalho sete dias e uma noite vou fazer os possíveis por, na semana seguinte faço o possível por ter um horário "normal" e guardar uma noite para mim própria e dar atenção aqueles de quem gosto pois nada nem ninguém

Dedico o meu tempo livre a cuidar de mim, dos que amo, mesmo daqueles que estão longe. 

Cozinho, medito, passeio no parque ao lado de casa... e nem por um minuto me sinto culpada, como já senti, pelo tempo em que "não faço nada"... 

Percebi que é esse mesmo tempo que nos permite aumentar a nossa produtividade, a nossa capacidade de gestão do stress e encontrar o tão desejado equilibrio entre vida pessoal, familiar e profissional. 

Para mim tempo livre é uma necessidade e, perante o comentário daquela amiga ou de qualquer outra pessoa neste Mundo o meu conselho dificilmente não será o mesmo: "ter dinheiro é importante, e infelizmente há quem tenha de trabalhar como doido para conseguir um ordenado para sustentar a casa e a família, mas se for possível encontrar um equílibrio e estar presente e activo na nossa própria vida e na daqueles de quem gostamos é algo que não há dinheiro nenhum que pague". Portanto para mim tempo livre, mesmo que seja pouco mas que seja de qualidade é, e será sempre uma necessidade. 

E para vocês o que significa tempo livre: é um luxo ou uma necessidade?

 

 

22
Jun17

Queres ser mais autoconfiante? 8 ensinamentos para o conseguir!


Margarida

Em língua portuguesa "autoconfiança" significa segurança em relação às suas capacidades, poder e dignidade em determinado momento.

Alguém que é autoconfiante é alguém que se conhece bem, que nutre um grande respeito por si mesmo e pelas suas capacidades e transpira serenidade, tranquilidade e amor-próprio.

Se existem pessoas que são autoconfiantes desde sempre, existem aquelas que precisam de se conhecer, de se encontrar e de se preparar para transmitirem aos outros, e a elas mesmas, essa mesma confiança. 

Não é um caminho que se faça de um dia para o outro isso é certo. Teremos etapas complicadas mas o resultado será, sem dúvida, maravilhoso! 

Vamos, todos juntos, colocar mãos à obra? Então aqui vos deixo 8 dicas para melhorar a autoconfiança e autoestima e se sentir melhor na sua pele! 

  • Se não te sentes bem na tua pele faz alguma coisa por ti mesmo! Ninguém consegue nada sem esforço. Levanta o rabo do sofá e vai sem medo!

 

  • Conhece-te e aceita-te como és! Se te conheceres bem saberás exatamente como e quando vais reagir e a tua confiança e autocontrolo aumentarão. Se tiveres dificuldades a fazer essa auto-avaliação deixo-te um pequeno exercício: pega num papel numa caneta e anota, a titulo de exemplo, os pontos seguintes: 
    • As tuas fraquezas e as tuas forças; 
    • As tuas paixões e aquilo que detestas;
    • As coisas (grandes ou pequenas) que conseguiste; 
    • Os teus sonhos, os teus medos; 
    • As tuas inseguranças. 

Pega nesta mesma lista todos os meses e faz um pequeno "ponto de situação". Verás que há coisas que mudam ou evoluiram dependendo da fase da tua vida em que te encontras, dos acontecimentos, do estado de espírito e das experiências vividas. Somos seres que estão em constante mudança. Aceita isso! 

  • Aceita que a opinião dos outros não é universal. Quantas vezes ouvimos um grupo de amigos a falar sobre uma pessoa: enquanto A diz que essa pessoa é antipática, B reconhecerá as suas qualidades físicas e C que a pessoa passa por alguns problemas e que é preciso ser-se tolerante. No final o grupo fará o seu próprio julgamento da pessoa em função de todos os seus membros e a opinião dos membros será influênciada pela opinião do grupo. Desta forma achas mesmo importante dar ouvidos aos julgamentos dos outros sabendo que eles são influênciados pela sua vida, pela sua experiência e pelas suas crenças e nunca baseado em raciocínios lógicos?

 

  • Cuida de ti. Em tempos idos uma amiga custumava comentar que, sempre que me arranjava ou "perdia" algum tempo a cuidar de mim passava uma imagem de grande autoconfiança. E é um facto que, sempre que tomamos conta de nós mesmo, que nos cuidamos e que nos apresentamos no nosso melhor a nossa segurança em nós mesmos aumentará portanto cuida de ti e mima-te muito. Tu mereces!

  • Não te culpes por tudo e por nada! Quantas vezes procuramos levar com as culpas daquilo que não podemos mudar? E quantas outras vezes procuras nos outros uma acusação contra ti próprio para aquilo que correu mal? A resposta deste lado é: muitas! No entanto, em consciência sabemos que há coisas contra as quais não podemos lutar sendo ou não a melhor pessoa ou profissional do Mundo. Não procures culpabilizar-te pelo que correu mal e, se efetivamente erraste, aprende a perdoar-te! Só assim poderás fazer confiança a ti mesmo!

 

 

  • Aceita que és muito mais do que pensas! Não és apenas um corpo com uns quilinhos a mais ou uma pessoa descontente com o seu trabalho. Essas coisas fazem parte das características do teu dia a dia mas não te definem enquanto pessoa. Se aceitarem que aquilo que fazes não é aquilo que és só terás a ganhar e a crescer como pessoa!

  • Olha, de uma forma realista, o teu corpo! Somos muitos a seguir contas de yoga e de fitness nas redes sociais e todos nós sonhamos ter "aquele corpo de sonho" e não aquela barriga ou aquelas coxas que temos. No entanto, lembra-te de uma coisa: metade das pessoas que postam sobre fitness nas redes sociais vivem para isso enquanto tu tens um emprego, uma casa, uma família e outras 1500 coisas a gerir no espaço mínimo de 24h. Se mesmo assim continuas a não te sentir bem com o teu corpo faz um balanço entre o que não gostas e mudavas em dois tempos e o que gostas e não mudavas por nada. De certeza que acabarás por encontrar um equilibrio e razões para gostar muito de ti!   

  • Introduz a bondade e a gratidão na tua vida. Se a bondade encher os teus olhos em relação a ti mesmo e em relação aos outros e a gratidão te invadir em cada pequeno acontecimento bom terás todas as razões do Mundo para aumentares e muito a tua confiança em ti mesmo. 

 

 

08
Jun17

Hino à amizade


Margarida

Os amigos são a família que não escolhemos. Aqueles que nos acompanham nas loucuras ou nos ouvem, até quando se trata de algo inconfessável. A amizade deve ser, como em todas as relações, construída, conquistada e mantida. Ouvimos muitas vezes que 'já não há amigos' mas não seria mais correto dizer que já não sabemos ser amigos e que esta vida que levamos a passo de corrida não nos deixa tempo de cuidar dos outros, daqueles a quem chamamos amigos. Olhamos nós para um amigo, como para um pai ou um namorado, e vemos ali alguém que também temos de apoiar, acarinhar e saber perdoar?

Se tens amigos, e acredito que tens mais do que o que pensas, porque não aproveitas para lhe ligar, para o escutar e para ser o amigo que 'ele' pode precisar ali e agora. A vida é uma correria mas a gratidão deve estar nela a cada momento... especialmente quando falamos de amigos! Margarida

01
Jun17

Desafio de Junho # 3 Coisas Boas por Dia


Margarida

O Mês de Maio já lá vai assim como o Desafio sobre a Bondade! Espero que o mesmo vos tenha permitido dar mais atenção e cuidado a vós próprios em primeiro lugar, a todos aqueles que vos rodeiam e a tudo o que vêem e utilizam. Espero que este desafio vos tenha servido de motor para trazer mais bondade à vossa vida e, como a bondade se propaga, que a mesma vos encha o coração de bons sentimentos e felicidade! 

Mas como Maio já passou, e o prometido é devido, vamos iniciar Junho com um novo desafio. Desta vez um desafio que vai ao encontro da Gratidão

São inúmeras as vezes que sentimos que os nossos dias são iguais, sem sabor nem cor e que tudo o que fazemos está, de alguma forma ligado a "obrigações" ou "restrições". Especialmente numa altura em que as férias estão próximas mas que teimam em não chegar esperamos que os dias, as horas e os minutos passem depressa para podermos respirar de alívio... para depois voltarmos para a rotina dos dias que se seguem uns aos outros. 

Como também eu padeço desse mal proponho-vos um desafio que me foi "apresentado" por Martin Seligman, um cientista americano que em 1998 criou o conceito de Psicologia Positiva. 

Este exercicio, a que o Dr. Seligman e a sua equipa chamaram de "Exercício das três coisas boas" é exatamente o que vos proponho que realizem diariamente durante pelo menos uma semana durante o mês de Junho. 

A ideia é que, durante o tempo a que se proponham a realizar este exercício, escrevam todos os dias 3 coisas boas que vos aconteceram. Atenção que não é preciso que seja nada de grandiosos. Um simples "hoje encontrei a Maria que já não via há mais de 6 meses o que me deu muito prazer" pode ter o um valor importante na nossa vida como um grandioso "fui pedida em casamento" (para aqueles para quem esse pedido é quase um sonho). Em frente a cada "coisa boa" tentem responder às seguintes perguntas: "O que é que este acontecimento significa para mim?" e " como é que posso fazer com que ele se repita mais vezes?". 

A ideia é fazer uma reflexão sobre aquilo que mais nos faz felizes e, se possível, perceber como podemos organizar as coisas de forma a atrair essa felicidade para a nossa vida. Este exercício é valioso porque nos permite conhecermo-nos melhor, com os nossos desejos e vontades e melhora a nossa auto-estima e humor com a gratidão e o reconhecimento que coisas boas, mesmo que pequeninas, nos acontecem todos os dias. 

Espero que tenham todos um mês de Junho feliz! 

Ficarei feliz de ler as vossas opiniões e comentários por aqui e pelas redes sociais! 

Um grande bem-hajam a todos! 

Margarida

 

Fonte: Seligman, Martin; "S'épanouir- Pour un nouvel art du bonheur et du bien-être" Editions Belfond, 2013

 

 

28
Mai17

Dia da Criança! 'Bora aproveitar os mais novos!


Margarida

E o Dia Mundial da Criança está quase aí... e, mesmo que o seu significado inicial não seja exatamente este, é sempre bom mimar um bocadinho as nossas crianças lá de casa! 

Por isso deixo-vos aqui algumas ideias a realizar em família e com os mais pequenos com tudo o que é preciso: reciclagem, baixo custo, ar livre, divertimento e muito muito amor. Porque afinal as crianças aprendem a amar sendo amadas! 

Um bom dia para eles e para nós... porque há sempre uma criança dentro de cada um! 

- Aproveitar o tempo solarengo para revisitar alguns jogos tradicionais (que nos eram tão queridos e que, a maior parte dos miúdos de hoje em dia não conhece): o jogo da macaca, a "cabra-cega", o macaquinho do chinês entre outros! Tudo para uma tarde deliciosamente divertida... ainda mais porque se o fizerem num parque ou na rua poderão ter os miúdos da vizinhança a pedir para participar o que trará ainda mais amigos para os circulos dos miúdos! 

- Lembras-te da última vez que fizeste um barbecue num parque de merendas ou numa praia fluvial? O bom tempo está aí e o dia da criança pode ser a "desculpa perfeita" para um dia bem passado ao ar livre, longe dos computadores e televisão, com uma bola e um piquenique... e quem sabe um fato de banho? O "presente"? Muitas fotografias, muitos sorrisos e um bom gelado que sabe sempre bem! 

 - É sabido que muitas vezes a nossa vida não nos permite dedicarmos o dia inteiro às nossas crianças, nem mesmo ao fim de semana mas um presente comprado à pressa num centro comercial também não é solução. Guarda o final do dia da criança para ti e para eles: sai mais cedo do trabalho e leva-os ao Parque mais próximo! Eles divertir-se-ão e aproveitaram ao máximo da companhia. Na volta para casa um banho rápido e um jantar feito por todos: hamburguer ou pizzas caseiras (hei não é preciso ser superdotado na cozinha, hem?) e os miúdos vão ficar felicissimos de fazer um dos pratos que mais gostam! 

- Se gostam de actividade física juntem-se com casais vossos amigos ou familiares e levem a criançada toda de bicicleta para um parque ou uma praia. Preparem um arsenal de jogos que todos gostem e desfrutem do vosso dia! Ideia para agradar a miúdos e graúdos, certo?

- Se vocês têm jeito para bricolage e trabalhos manuais que tal fazer um projeto com os miúdos: por exemplo um papagaio de papel? Ideias não faltam na Internet e a euforia irá desde o momento de juntar os materiais (atenção que há montes de coisas que podem ser recicladas) até ao dia de inauguração do projeto. As horas de partilha e de felicidade que isto vos trará!

E com estas ideias vos deixo! Fico à espera dos vossos comentários e experiências e até de outras sugestões. Para fazermos do dia da criança mais uma oportunidade para fazer crescer a união dentro de nossa casa sem os valores do materialismo e consumismo presentes! 

Um bom dia da criança para ti: pai, mão, tio, tia, avó, avô... Que o aproveitem da melhor maneira possível! 

 

Todas as imagens são oriundas da plataforma PINTEREST onde podem também encontrar muitas outras sugestões e ideias para os vossos projetos do Dia da Criança! 

 

 

25
Mai17

Solidão: Sim ou Não


Margarida

A Solidão é algo que, em geral, nos assusta. Damos-lhe por norma uma conotação negativa e associamo-la a depressão, tristeza, frustração, insucesso e maldade.

No entanto a necessidade de solidão e de tranquilidade é uma necessidade do ser humano. É no silêncio que, muitas vezes, refletimos, tomamos decisões ou nos recuperamos de um momento marcante na nossa vida (independentemente de ser "bom" ou "mau").

Estar sozinho pode até ser uma opção de vida. Quantas pessoas não casam, não têm filhos ou vivem isoladas do Mundo por vontade própria? Foi uma opção de vida como outra qualquer e que as faz sentirem-se bem. 

Algumas das melhores decisões e dos nossos momentos foram passados sozinhos. Lembram-se daquele pormenor arquitectónico que vos escapou durante dias a fio e que um dia, sozinho e descontraído, batemos com os olhos nele e nos apaixonamos?! E aquela indecisão em que estivemos mergulhados e que pedimos conselho a todos os conhecidos e só naquele momento de reflexão, a sós, conseguimos tomar a decisão necessária.

É sozinho que meditamos, que apreciamos o silêncio ou a nossa própria companhia. Porque ninguém consegue sentir-se bem se, em primeiro lugar, não estiver bem consigo próprio mesmo que o "consigo próprio" seja muitas vezes o maior dos nossos medos.  

Estar sozinho pode ser uma benção em certas alturas. Afinal o silêncio é de ouro neste Mundo tão elétrico e barulhento. 

E vocês, qual a vossa relação com o silêncio, com o estar sozinho? Fico à espera dos vossos comentários e opiniões. 

 

18
Mai17

Ainda Sobre o Dia Internacional da Família!


Margarida

Na passada Segunda-Feira foi comemorado o Dia Internacional da Família e eu, como "familidependente" que sou, não podia deixar de vos falar um bocadinho nesta instituição que nos dá tanta coisa! 

Quando penso em família penso no sentido "alargado" da mesma. Apesar de poder estar grata por não ser o meu caso sei que existem membros da família que, por uma razão ou outra, se distânciam e se demitem da função de pai, mãe, irmão, filho, neto... que têm.

Mas o que importa é que há alguém de dentro do núcleo que nos amou, que nos educou e que nos permitiu sermos quem somos e são por esses que restaram, que amaram e que cuidaram que vos trago este post com alguns "lembretes" de como lidar com a família (mesmo que nem sempre seja tarefa fácil)! 

- Manter Contacto: Nem sempre é fácil, com o rang-rang do dia a dia, de manter a nossa família "por perto", especialmente quando estamos longe. O ideal será criar uma rotina de comunicação para que nos possamos manter a par das novidades uns dos outros. Outro ponto importante será nao esquecer das datas importantes: Natal, Páscoa, aniversários ou aniversários de casamento e relembra-las com uma pequena mensagem de felicitações personalizada (esqueçam lá o facebook e os sms) como um telefonema, uma videochamada, um video comemorativo preparado para a ocasião e enviado por e-mail ou, porque não, uma carta postal! 

- Recuperar a tradição do "Almoço de Domingo": A minha avó juntou, desde que me lembro, toda a família à volta da mesa aos Domingos e é esta "tradição familiar" uma das que lhe é mais querida e que, com 80 anos, se recusa a deixar morrer. Não vos digo para almoçarem todos juntos todas as semanas mas e se for uma vez por mês, ou pelo menos uma vez de vez em quando sem ser em épocas tradicionais?! E deixa lá de lado a ideia de fazer "frete"... vai de coração aberto e verás que voltarás para casa mais rica do que saiste.. e será muito mais divertido ir conhecendo os primos melhor antes dos enormes (e cheios de protocolos) jantares de Natal ou Almoço de Páscoa! 

- Cultiva a paciência: Todos nós tivemos alguns momentos na adolescência em que a família era o "inimigo público n.º1) e, sabe-se lá porque, esse facto perdura na idade adulta. Seja por diferenças de opinião ou de estilo de vida desentendemo-nos algumas vezes com os nossos pais, especialmente quando eles acham que o que dizem é "definitivamente o melhor para ti". Nesse momento, respira fundo e lembra-te que as pessoas que estão à tua frente são aquelas que te permitem ser quem és. Se achas importante relembra-lhes, sem julgamento, que compreendes a opinião deles mas que é um assunto com o qual gostarias de lidar sozinho. Eles podem ficar magoados mas mais vale um amuo de passagem rápida a uma grande disputa mais tarde. 

- Não os julgues: Ouvimos muitas vezes opiniões e comentários dos mais velhos que nos põem os cabelos em pé. És livre de deixar bem claro qual a tua opinião mas não entres no conflito afinal a experiência de vida e as oportunidades não foram as mesmas nas várias gerações. 

- Divirtam-se juntos: Sim é possível divertires-te em família com os teus pais, irmãos ou sobrinhos! E bastante! 

- Aproveita cada momento como se fosse o último: Vive cada momento ao máximo! Nunca se sabe quando a vida nos pregará uma partida... 

Espero que este post vos tenha agradado! Acho sempre importante lembrar a importância que a família têm na nossa vida, mesmo quando estamos longe, quando crescemos ou quando começamos nós mesmos a formar a nossa família! 

Aproveito também para vos agradecer a todos e a cada um o número de seguidores que este blogue conseguiu em tão pouco tempo de vida e convido-vos a juntarem-se a nós também nas redes sociais: facebook e instagram! Gratidão a todos vós!

Margarida

 

14
Mai17

A Simplicidade do Salvador


Margarida

Ontem Portugal fez novamente história: Salvador Sobral deu-nos, ao fim de mais de 50 anos e depois de grandes nomes da música Portuguesa como Carlos do Carmo, José Cid, Carlos Paião, Simone, entre muitos outros trouxe para casa a vitória da Eurovisão. 

E se o talento do Salvador é reconhecido é preciso reconhecer também a simplicidade da letra, a leveza da actuação e a cumplicidade marcante com a irmã, e compositora, Luísa Sobral! 

Porque Salvador não nos trouxe só o prémio, trouxe-nos grandeza, reconhecimento e uma emoção enorme! 

Parabéns Salvador! Parabéns a todo o staff! E Parabéns Família Sobral! Ver aquela cumplicidade e companheirismo entre dois irmãos é mais do que uma vitória: é uma benção! 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D