Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Arte da Simplicidade

"Se vives de acordo com as leis da natureza, nunca serás pobre; se vives de acordo com as opiniões alheias, nunca serás rico." (Séneca)

"Se vives de acordo com as leis da natureza, nunca serás pobre; se vives de acordo com as opiniões alheias, nunca serás rico." (Séneca)

A Arte da Simplicidade

05
Ago17

A Escrita como uma Aliada!


Margarida

Despertei para a importância da escrita já há algum tempo atrás quando, depois de passar meses e meses, a ler sobre psicologia positiva decidi finalmente escrever (anteriormente apenas dizia em voz alta) o que queria "ser" daqui a uns anos. 

Fiquei tão impressionada com a quantidade de coisas que consegui escrever que me perguntei várias vezes porque raio nunca tinha pensado naquilo antes! 

Escrever pode ser uma forma clara de "dar forma" e "clarificar" aquilo que somos ou o que queremos. De conseguir ver mais além do que aquilo que os nossos olhos nos mostram. É correlacionar várias áreas da nossa vida e perceber exatamente onde é que elas se cruzam. 

Os blogues são, por si só uma ótima forma de perceber o que é importante ou não. Quando contamos episódios da nossa vida, quando escrevemos sobre uma viagem, uma experiência ou um restaurante, quando propomos um DIY ou uma lista de produtos experimentados estamos a colocar lá, ponto por ponto, o nosso sentimento e a nossa experiência muito melhor e mais profundamente do que se apenas a contássemos aos amigos. 

Desde que percebi esse enorme potencial da escrita faço o que posso para dar forma aos meus pensamentos, sentimentos e as minhas necessidades desta forma e direccionado para as várias áreas da minha vida!

Deixo-vos aqui algumas ideias de como utilizar formas escritas para vos facilitar a vida e vos ajudar a tornarem-se mais organizados, evitarem más surpresas e sobretudo perceberem quem são, do que precisam e se tornarem mais felizes: 

- Listas de Compras: Se, há alguns anos a esta parte, eram apenas uma futilidade hoje vejo-as como algo mesmo necessário. O meu método é assentar tudo aquilo que está a acabar para repor o stock sem surpresas. Quando quero fazer algum prato especial tento programas as coisas em avanço e, dentro do possível, evitar voltar duas e três vezes ao supermercado durante a semana. Poupança garantida de tempo e de dinheiro! 

- Menus Semanais: Fiz-vos há algum tempo um post sobre o tema. Uma forma rápida de evitar a preguiça e a frustração de não saber o que preparar para a refeição seguinte, de comer melhor e de não desperdiçar comida!

- Budget: Esta foi talvez a lista onde tive dificuldade a aderir. Considerei-me sempre ponderada nas minhas compras mas, a verdade, é que cheguei muitas vezes ao fim do mês sem saber o que raio tinha feito ao dinheiro. Organizo o meu "budget" mensal com todas as minhas despesas e os valores que preciso para cada item, tal como já vos expliquei num artigo sobre o tema. Utilizo o mesmo princípio para organizar viagens ou quando preciso de fazer uma compra mais "pesada" financeiramente. Torna tudo francamente mais fácil, sem a sensação de se sentir pressionado e ainda com possibilidade de mais poupança, ou um miminho, no final do mês!

- Listas de Necessidades: Esta lista funciona um bocadinho como uma "lista de compras" mas é mais virada para a roupa, objetos da casa e de decoração. Ela é ideal para todos aqueles que têm dificuldade em controlar as compras irrefletidas e de momento. Por exemplo se acho que preciso de um vestido azul escrevo-o na lista e deixo-me alguns dias para perceber se preciso mesmo dele ou não. Se achar que sim deixo-o na lista depois classifico-o em prioridade: é mesmo urgente/prioritário? pode esperar o próximo mês? ou é uma compra a programar para daqui a algum tempo? 

Todas estas perguntas permitir-nos-ao perceber se essa compra nos fará mesmo feliz e se, ao comprarmos um vestido este mês não vamos por em causa a compra do livro que precisamos para a escola, por exemplo. Não se esqueçam que a maior parte das compras que fazemos são por impulsos que duram pouquíssimo tempo e, se nos deixarmos dois ou três dias para pensar, acabaremos por nem nos lembrar mais dela. 

- Lista dos Desejos: Tenho esta lista em duas versões. Uma para mim própria e outra em comum com o meu namorado. Delas fazem parte aquilo que quero/queremos fazer ou ter. Sejam viagens, compras, experiências... São uma boa maneira de sermos honestos connosco de próprios e saber o que queremos ter! Seja hoje ou daqui a 5 anos. 

- Lista de Objetivos: Tal como a anterior. Tenho esta lista em versão tripla: os meus objetivos mensais, os meus objetivos trimestrais e os nossos objetivos a dois. Ao contrário da lista de desejos coloco/colocamos nesta lista aquilo que já sabemos que queremos mas que precisamos planear ou trabalhar. Seja aprender uma língua nova, ser promovido no emprego ou mudar de casa essas pequenas coisas são importantes para não perdermos o "Norte" dos nossos dias e guardar uma certa motivação mesmo nos momentos mais críticos. 

- Lista de Gratidão: O objetivo desta lista é enumerar, todos os dias, o que de bem te aconteceu. Isso permitirá perceber que, mesmo o dia mais difícil teve coisas muito boas. Estas listas são também muito úteis quando estamos a passar uma fase má entre o casal, no trabalho ou com amigos ou família. Basta consulta-la e ver a quantidade de vezes que a pessoa nos fez feliz e tudo se tornará menos negro. 

- Escrever sobre os problemas pode também ser uma boa forma de tornar a coisa mais clara e assim mais suportável. Pode também ser uma ferramenta para encontrar uma solução que, de outra forma, não conseguiríamos vê-la tão "enrolados" que estávamos nos problemas. 

E assim vos deixo uma série de formas em que podem utilizar a escrita como uma ajuda a ser mais organizados e a não desperdiçar tempo, dinheiro e energia com coisas do dia a dia ou problemas. Uma boa forma de compilar estas informações será por exemplo o "Bullet Journal" ou num caderninho. Para as coisas mais práticas como as listas de compras ou o budget nada como um ficheiro excel ou descarregar a aplicação "Google Tips" que te permitirá criar listas e notas no teu telemóvel e que estarão sempre ali "à mão de semear". 

Espero que este post vos tenha agradado e que vos dê algumas ideias para se organizarem e se conhecerem melhor. Estou curiosa deste lado para saber se vocês usam listas e, se sim, quais e como. Aguardo o vosso feedback!

Boa Noite de Sábado!

Margarida

 

11
Jun17

Menus Semanais: poupar espaço, o ambiente e a carteira!


Margarida

Há já algum tempo atrás escrevi um post onde dava algumas dicas sobre como poupar a carteira e o ambiente na cozinha (para ler clique AQUI) onde falava sobre o desperdício alimentar e os alimentos que, por sairem do prazo de validade ou ficarem muito tempo no nosso frigorifico, acabavam por ser deitados fora. E tenho a dizer-vos que cá por casa era coisa que me acontecia frequentemente. 

A solução para este "problema" passou por tentar organizar um "Menu Semanal", onde passei a programr em avanço as refeições a fazer durante a semana seguinte e, a partir da qual faço a minha lista de compras. Como é óbvio se o objetivo é não desperdiçar dou sempre preferência àquilo que já tenho em casa!

Se a ideia vos parece muito estapafúrdia ao início com algum treino ela poderá passar a um indispensável da vossa organização mensal tal como foi na minha! 

As vantagens são mais que muitas: aligeira-se a conta do supermercado pois compramos apenas aquilo de que precisamos para as refeições que previmos, evitamos o desperdício alimentar pois se utilizarmos tudo o que comprámos não se estragará e seremos quase "obrigados" a cozinhar, mesmo em dias de maior preguiça o que nos permitirá poupar dinheiro e evitar comer uma qualquer refeição rápida! 

Mas calma, este menu não têm necessáriamente de ser restritivo. Muitas vezes, quando me apetece mudo as receitas por outras com ingredientes equivalentes ou troco claramente os dias se houver algo que não me apeteça de todo! 

Se, por acaso surgir um convite para jantar ou uma vontade enorme de sair, posso deixar o jantar previsto para a semana seguinte! Fácil, não?!

Se até achas que podes começar a por este plano em pratica faz uma lista com tudo o que tens nos armários e usa esses ingredientes para criar os teus menus! Vais descobrir certamente coisas que já nem te lembravas que tinhas e ainda conseguirás algumas economias imediatas com uma ida a menos ao supermercado.

Opta por refeições simples mas das quais gostes mesmo. Chegar a casa depois de um dia difícil de trabalho e ter um bacalhau espíritual programado é a mesma coisa que dizer: vou encomendar uma pizza! Sendo assim escolhe para os dias de trabalho refeições mais rápidas de fazer e deixa as mais elaboradas para os dias de fim de semana ou para quando tens visitas! Outra opção para os dias de mais cansaço passa por preparar uma das refeições quando te sentires com mais disposição e mais tempo e congela-la: assim terás qualquer coisa de saudável e bom para comer e não sairas da previsão nem desperdiçarás!

Para tornar tudo muito mais divertido podes criar uma página especial no teu "BuJo" ou procurar no pinterest entre os montes de ideias geniais de menus semanais. 

A parte má deste programa é que serás obrigado a ir às compras todas as semanas ou, no máximo, todos os 15 dias. Se a ideia é não acumular será importante não comprar coisas para muito, muito tempo! 

As vantagens deste "esforço" de criar os menús são definitivamente imensas, só custa mesmo começar! E as poupanças entre o que não se faz stock em casa, o que não se deita fora e as refeições em casa chegaram facilmente a alguns euros! 

Boa Sorte com isso! 

Margarida

 

 

21
Mai17

Sabonetes: Hidratantes e Económicos!


Margarida

Recentemente partilhei convosco um post sobre as economias possíveis, em dinheiro e ambiente, que podemos levar a cabo na nossa casa de banho (para ler clique aqui).

Uma das 7 ideias propostas era a escolha de produtos cosméticos em forma sólida, como por exemplo os sabonetes. E é exatamente sobre sabonetes que iremos falar hoje! (E não, não estou a gozar!) 

Os sabonetes foram, há já algum tempo, substituidos na nossa vida pelo gel de duche ou o gel de lavagem de mãos por diversas razões: a fórmula gel é mais prática, faz mais espuma ou cheira melhor. Mas hoje, com este post, pretendo mostrar-vos o "reverso da medalha" e apresentar-vos algumas razões para voltar a utilizar estes cosméticos que, a mim, já me conquistaram mas que, confirmo, têm de ser bem escolhidos! 

Comecei a (re)utilizar sabonetes quando comecei o meu caminho em direcção ao "Zero Waste" pois, na minha cabeça, um frasco de plástico é muito mais volume do que um papel de sabonete o que equivale a mais lixo. Também o facto de um produto sólido durar até 3 vezes mais do que um produto líquido me abriu os olhos para uma possível fonte de poupança. 

Ao ínicio, e sem fazer muita atenção ao tipo de sabonete que comprava, percebi que a minha pele ficava muito mais seca e, foi nessa altura, que me decidi a ler e a conhecer melhor um bocadinho do "Maravilhoso Mundo dos Sabonetes" e percebi que não estava de todo a fazer a escolha certa.

Quando tomamos banho procuramos qualquer coisa que nos deixe a pele suave sendo assim o ideal será escolher um sabonete rico em óleos vegetais e que deve sofrer um processo de "saponificação" a frio, de forma a manter as suas propriedades originais, inclusive a hidratação. Ora se um sabonete te deixa a pele seca ele não é suficientemente hidratante ou os seus agentes lavantes são muito muito agressivos.

Nem sempre é evidente a escolha quando conhecemos pouco os produtos mas, em caso de dúvidas, optem por escolher sabonetes de marca certificada biológica, normalmente ecocert, pois assim teremos a mais garantias de utilizar produtos oriundos maioritariamente de agricultura biológica, embalagens recicláveis e tensioactivos menos agressivos para a pele. Outra opção será passar diretamente aos sabonetes 100% naturais (neste caso é preciso colocar as questões certas ao vendedor nomeadamente quanto aos tensioactivos utilizados). 

Outra das vantagens dos sabonetes, especialmente dos naturais, é a sua ligação próxima à naturopatia e à aromoterapia isto porque, para além dos óleos vegetais estes também podem ser perfumados ou melhorados com óleos essenciais e plantas ayurvédicas o que lhes irá conferir um perfume natural e muito suave e nos permitirá aproveitar das propriedades do mesmo, nomeadamente a nível emocional proporcionando mais relaxamento, conforto ou sensação de mais energia.  

Os sabonetes, desde que ricos em óleos vegetais e o mais naturais possíveis, podem ser utilizados em todo o corpo incluíndo no rosto, o que trará como vantagens a exfoliação e a limpeza mecânica mas suave do mesmo. O sabonete é o método de limpeza do rosto preferencial do Layering (saber mais aqui) e deve ser seguido pela aplicação de uma água floral ou de um tónico natural para hidratação. 

Outra grande vantagem de optar por este tipo de produtos é que são, por norma, relativamente baratos, existem inúmeras possibilidades de misturas e perfumes e podem ainda ser comprados a pequenos artesãos que os fabricam e distribuem eles mesmos, apoiando assim os pequenos artesãos, as pequenas empresas e o comercio local.  

Apesar de todas as vantagens da utilização de cosméticos em forma sólida: a sua economia, o facto de serem mais "amigos do ambiente" (especialmente as fórmulas biológicas), de serem hidratarem e não agredirem a pele existem também alguns cuidados a ter quanto à sua utilização. 

Para os proteger da contaminação de bactérias e para que se mantenham limpos e protegidos, os sabonetes devem ser mantidos secos dentro de uma caixa fechada sempre que possível. Também é verdade que as fórmulas sólidas sujam mais a banheira ou o lavatório, devido à sua gordura do que as fórmulas líquidas e isso pode ser por vezes um inconveniente mas, com um paninho à mão será rapidamente resolvido. 

Espero sinceramente que este artigo vos tenha agradado e que vos tenha despertado curiosidade em relação a este cosmético tão fora de moda mas sem razões para isso. 

Desejo-vos a todos um bom Domingo e cá estaremos Quinta com mais um novo post até lá sigam a "Arte da Simplicidade" via facebook ou instagram! 

Margarida

 

11
Mai17

7 Ideias para Economizar o Ambiente... e a Carteira #na Casa de Banho


Margarida

Já lá vão uns tempinhos desde o meu último post deste género. Na altura falei-vos sobre como economizar o Ambiente e a Carteira na cozinha (se não leram sigam por aqui). 

Hoje voltamos ao mesmo tema mas vamos passar para uma outra divisão: a Casa de Banho.

Antes de começar deixo só um pequeno alerta: uma das ideias mais comuns quando se fala em poupar na Casa de Banho é em relação à higiene intima da mulher. No entanto, como eu própria dou os primeiros passos, prefiro guardar esse tema para quando puder fundamentar as minhas opiniões.

E vamos lá dar uma volta à casa de banho e ver onde podemos economizar o ambiente e a carteira: 

- Economizar a água: É preciso saber que a água é das coisas que mais desperdiçamos na nossa Casa de Banho, o que tendo em conta o preço que pagamos e o desperdício de água potável é um valor incalculável que nos corre pelos canos. É importante ficar com a noção de que tomar um duche é mais económico do que um banho e que se tivermos o cuidado de fechar a torneira enquanto nos ensaboamos ou escovamos os dentes, por exemplo, chegaremos a uma grande poupança. Pessoalmente (e sem o fazer de propósito quando tomo um duche e não lavo o cabelo) deixo a torneira a correr por mais ou menos 3 ou 4 minutos contra os quinze que deixava enquanto não me preocupava tanto. São uns bons litros de água de poupança. Outra coisa importante será adaptar as descargas do autoclismo. Os mais modernos têm um sistema de descarga mais pequeno opte por ele ao invés de descarregar 7 a 9l de água de cada vez! 

- Não colecione produtos: As nossas casas de banho são, normalmente, locais onde guardamos 20 frascos de cada coisa. A questão é: será que temos mesmo necessidade disso? Para quê ter 3 champôs abertos se utilizo sempre o mesmo? Opte por uma rotina de higiene pessoal onde escolha apenas produtos que realmente goste e que se adaptem às suas necessidades e, caso queira mudar, deixe acabar um antes de começar o outro. A carteira agradece... e o espaço disponível na sua casa de banho também! 

- Faça o máximo de produtos caseiros! Sim, esta foi a grande revolução da minha vida criar os meus próprios produtos. Não o faço para champôs por exemplo, porque exigiria uma disponibilidade da minha parte quer económica quer pessoal para a qual ainda não me sinto preparada, mas existem montes de coisas que podemos fazer em casa ou utilizar os produtos virgens: máscaras para o cabelo, champô seco, exfoliantes, etc. Exige alguma experiência mas, tendo em conta que podemos encontrar uma boa parte dos produtos nos nossos armários da cozinha, sabemos que será menos poluente e "clean" para a pele, para a água e para a carteira nem se fala... 

- Opte por formulas sólidas: que é como quem diz sabonetes *, champôs sólidos ou mesmo para aqueles que gostam de experimentar coisas novas a pasta de dentes ou o desodorizante. Estes duram mais tempo, desde que tenhamos os devidos cuidados, e podemos encontrar formas bio a preços de produtos convencionais. Em Portugal temos por opção a marca Lush, que apesar de não ser bio têm uma composição mais clean em relação a outras marcas e que, acima de tudo não testa em animais,  e em lojas como o Celeiro podemos encontrar várias opções biológicas e que durarão muito muito tempo! Outra vantagem é que, quando se viaja, estes produtos sólidos passam no controlo de bagagem sem qualquer controlo. Prático não é?! 

- Elimina o máximo de coisas possíveis de utilização única: como é o caso dos algodões desmaquilhantes. Existem "algodões" laváveis que são giros, originais e que após cada utilização são lavados e rapidamente prontos a ser usado ao contrário dos descartáveis que utilizamos uma vez e deitamos fora. É uma economia de dinheiro a longo prazo mas também uma santa economia no nosso balde do lixo. As laminas para depilação/barbear podem também ser facilmente alteradas por outro género de laminas metálicas (o investimento é muito mais ao início mas a estrutura dura uma vida inteira) ou por aparelhos elétricos. Quanto às escovas de dentes existem também opções disponíveis: seja as escovas ecológicas que são compostáveis seja as escovas elétricas que são plásticas sim mas que só se utilizam uma vez. 

- Evite os gastos energéticos supérfluos: o aquecedor na Primavera ou o secador podem ser gastos algo desnecessários. Pense se têm mesmo necessidade de os utilizar!

- Opte por produtos de base para limpar a casa de banho: água, vinagre e bicarbonato de sódio fazem maravilhas na limpeza da casa de banho! São inertes para o ambiente, baratos e eficazes sem necessidade de recorrer a 20 produtos diferentes!

Espero que este tema tenha sido do vosso agrado. Se tiverem outras dicas de poupança ou opiniões que queiram partilhar deixem em comentário. Ficarei feliz de as ler! 

Quanto a mim despeço-me até a um novo post no próximo Domingo!

Margarida

 

27
Mar17

Gerir o "Budget Mensal"... quase como um jogo!


Margarida

Olá Caros Leitores hoje venho falar-vos de um tema um bocadinho diferente do que têm sido habitual mas, no entanto é qualquer coisa que me foi incutida desde muito pequenina e que faço quase inconscientemente: estabelecer um budget mensal e dar-se prazer sem se arruinar.

Cada vez mais ouvimos falar de novos modos de vida e se o "minimalismo", o "Frugralismo", a "simplicidade voluntária" ou outros tipos de vida mais ou menos imateriais se tornaram quase uma "moda" muito se deve a toda a crise económica e social em que a nossa sociedade se encontra mergulhada. Atenção que não estou a fazer uma crítica, todo e qualquer motivo é bom para fazer uma mudança de estilo de vida e tantas quanto se quiser! 

Mas a verdade é que também precisamos de dinheiro, pelo menos aqueles que não se sentem preparados, ou nem sequer anseiam, para dar o "grito de ipiranga", deixar tudo e viver de uma forma auto-suficiente e de simplicidade extrema em muitos dos casos. Desta forma é normal que todos nós, uns mais e outros menos, olhem com alguma cautela para o seu salário e deduzam despesa. Ele são os créditos automóvel e/ou habitação, o alojamento, o combustível, alimentação, roupa e um ou outro extra... e o dinheiro não chega para mais nada! Ou talvez chegue e não esteja simplesmente a ser bem gerido. E é nisso que o "budget mensal" escrito e organizado nos ajuda! 

Deixo-vos aqui 10 dicas para criar e gerir o vosso budget mensal conseguindo assim manter as contas em positivo, e talvez até poupar, como se de um monopoly se tratasse: 

- Anota todas as tuas despesas mesmo as que te parecem mais irrelevantes (como por exemplo o café que tomas todos os dias ao almoço) e faz, no final do mês o cálculo de quanto gastaste e de quanto precisas realmente por item: casa, carro, alimentação, lazer, saúde... Estabelece e adapta esses valores de forma a criares com ele o teu "plafond" mensal!

- Cria um sistema de "envelopes" ou de "colunas" onde colocas o valor que tens disponível para cada item. Por exemplo alimentação 100 euros.. e tenta fazer esse plafond durar até ao final do mês.

- Questiona os teus gastos e quanto pagas por cada coisa: um tarifário ilimitado de chamadas quando nem 1h gastas ao telefone por mês é mesmo útil? E o valor do ginásio onde são mais as vezes que não vais do que as que vais?! Outra coisa importante a fazer será comparar preços e negociar (audiovisual, taxas de juros dos bancos...). Dá trabalho mas também dará lucro: basta estar atento e fazer as perguntas certas.

- O "feito em casa" sabe sempre melhor... mete de lado a comida congelada e o almoçar fora só porque estás com preguiça e dedica-te à cozinha. Para poupar tempo faz pratos a mais e congela. Fica mais barato e não tenhas dúvidas, sabes o que comes!

- Apaga os teus e-mails publicitários! As marcas atacam-nos por todos os lados por isso evita abrir e-mails publicitários que te oferecem coisas do género: compra dois e paga 1! Evita também os centros comerciais como locais de passeio... prefere um bom parque e o Sol! 

- Cria novas formas de consumo: procura frutas e legumes de produtor ou de mercados e de preferência de época que são mais baratos e a qualidade será melhor, prefere uma peça de roupa de mais qualidade (e atenção que isso não significa sempre mais cara) e que te durará mais tempo a 3 ou 4 que estão condenadas a estragar-se na primeira lavagem, adapta-te às tuas necessidades (se compras mais ao Kg pagarás mais do que se comprares menos mesmo que o Kg seja mais caro), questiona promoções, saldos e outras campanhas de marketing! 

- Pensa em opções mais económicas, e que te permitam aproveitar o mesmo ou ainda mais, para as tuas actividades : aproveita o Sol e faz um piquenique em vez de ires expor-te na esplanada da praia sempre que te apetece apanhar um bocadinho de Sol. 

- Faz o máximo de pagamentos possíveis em dinheiro e evita o cartão. O dinheiro "físico" é mais fácil de "ver" logo mais fácil de gerir! 

- Desliga-te um bocadinho da ideia do "não posso ter isto ou aquilo" põe-te simplesmente a questão "faz-me mesmo falta? preciso mesmo disto?"

- Pensa em objetivos reais para as tuas poupanças e dá-te prazer de vez em quando. Não é melhor poder ir àquele restaurante onde queremos mesmo ir do que comer 2 ou 3 vezes no mês no Mc********?! Queremos melhorar as nossas finanças sim mas frustrações e poupanças sem fins não nos servem para nada!

Espero que este post vos tenha agradado e aguardo o vosso feedback! É bom "ouvir-vos" desse lado! 

Um grande beijinho! 

Margarida

 

 

19
Mar17

"Cozinha & Co"


Margarida

E um novo blog vê, neste Domingo ensolarado, a luz do dia. Trata-se de "Cozinha & Co" e vêm da minha paixão pela "Slow Cooking". 

Porque cozinhar pode ser uma medida importante quando se fala em "zero waste", porque passamos muitos e bons momentos de qualidade à mesa e porque o facto de fazermos nós a nossa comida poderá ajudar-nos a aumentar a moral (quem não gosta de um bom elogio quanto aos seus dotes culinários?!) e a poupar! Sem falar de que sabemos exatamente como foi feito e que ingredientes lhe colocamos.

Imaginem que têm um jantar e devem levar a sobremesa. Ela será muito mais apreciada se for caseira e ainda poupamos uns bons trocos! Basta organização e uma boa receita!

As receitas apresentadas serão de várias espécies que podem ir desde chocolates caseiros para oferecer, a bolos e receitas para festas e a substitutos alimentares sempre respeitando regras como o comprar o mais local e de estação possível e de preferência proveniente de uma agricultura senão 100% biológica ao menos de uma agricultura sustentável e de produtos o mais simples e puros possível. 

Espero que este seja do vosso agrado e a primeira receita está ali a arrefecer na cozinha e sairá no blog em menos de nada! 

Até já! 

Margarida

17
Fev17

Compras a Vulso


Margarida

Há já algum tempo que faço uma boa parte das minhas compras a "vulso" ou ao "Kg" como preferirem. 

Esta opção começa a espalhar-se um bocadinho por todo o lado e têm muitas vantagens económicas e ecológicas. 

Em primeiro lugar SÓ compras a quantidade de que precisas, o que é um ganho. Como vivo sozinha muitas vezes via-me obrigada a comprar 1Kg de qualquer coisa que depois ficava no armário tempos sem fim até que o acabasse... 

Desta forma também se poupa dinheiro (compras o que precisas sem gastos desnecessários nem restos no lixo), poupas no facto de não haver embalagem (nada de embalagem logo não é preciso pagar ao Marketeer...) e por fim poupa-se o ambiente pois as embalagens são reutilisáveis à vida uma vez que são de vidro ou papel reciclável e nada de plásticos nem tintas poluentes na sua alimentação. 

Outra vantagem é o facto de estes produtos serem normalmente provenientes de circuitos curtos, o que faz deles na maior parte das vezes biológicos e o agricultor é pago ao preço justo pelo seu trabalho. 

E é muito muito económico... hoje como estava só de passagem na loja comprei Massa "Penne" (adoro massas e o facto de poder comprar as quantidades à minha medida permite-me comprar diferentes massas se tiver vontade de variar), amêndoas com pele (adoro ter amendoas em casa seja para comer simples, com iogurtes, em doçaria ou simplesmente fazer o meu leite de amêndoas quando tenho vontade), arroz de risotto e bicarbonato de sodio alimentar (que utilizo como substituto dos fermentos químicos e em cosméticos feitos em casa) tudo isto me custou 3,20€... não se pode dizer que tivesse sido carissímo e é adaptado às minhas necessidades.

vulso.jpg

 

Espero que tenham gostado deste post. Sigam-me também no facebook em https://www.facebook.com/SimplicidadeMargarida

Estou à vossa espera! 

Margarida

12
Fev17

7 ideias para economizar o ambiente... e a carteira #na cozinha


Margarida

Olá a todos! Espero que estejam todos bem e que este fim de semana seja, no mínimo, maravilhoso independentemente do tempo chuvoso e frio! 

Hoje venho iniciar uma nova rubrica no blog (a primeira...) em que vos vou dar 7 ideias para reduzir o lixo e se possível economizar uns euros em diversas situações! 

Como adoro cozinhar (e é verdade que o budget mensal em comida não é insignificante para ninguém) vamos começar por "7 ideias para economizar o ambiente... e a carteira na cozinha!" 

- Reduzir as embalagens e sobretudo o plástico: 

Todos sabemos que grande parte do lixo que produzimos é proveniente de embalagens... sobretudo plásticas. E todos nós sabemos que o plástico é altamente poluente, a sua reciclagem não muito segura e não é reciclavel sempre. (Mais informações no meu anterior post "Será que o Plástico é mesmo tão "inerte" como pensamos?"). 

Uma boa maneira de reduzir o peso das embalagens é, sem dúvida fazer compras a vulso. Começam a aparecer propostas de compras a vulso em lojas bio e em algumas grandes superficies comerciais e as vantagens vão para além do "não ter embalagem". Eles serão também mais baratos do que produtos equivalentes embalados e ainda podemos economizar ao comprar apenas a quantidade de que necessitamos. Se não tiver a possibilidade de comprar a vulso, ao menos poderá optar no supermercado por legumes sem serem super embalados e preferir as embalagens em cartão, metal ou vidro ao plástico.

- Evitar os desperdícios alimentares. 

Todos sabemos que existe um dia em que cozinhamos quantidades enormes de comida. A maior parte dela estraga-se ou porque passou muito tempo, porque não nos apeteceu passar a semana toda a comer a mesma coisa... as razões são muitas. O ideal será realmente ter muita atenção às quantidades. Existem sites na internet que ajudar com esse processo. 

Outro motivo porque mandamos comida fora é porque temos "mais olhos do que barriga" e enchemos os pratos demais... melhor colocar menos e voltar a servir-se do que colocar muito e desperdiçar não? 

E, mesmo se tudo isso não correu como o previsto e sobrou comida, pensa em dar-lhe "uma nova cara" assim evitarás o desperdício e não terás a sensação de comer a mesma coisa 2 ou 3 vezes seguidas. 

- Atenção aos prazos de validade: 

Há sempre, mas sempre qualquer coisa cuja validade acabou e que somos obrigados a deitar fora. O ideal é organizar a cozinha, de preferência com menus semanais, e comprar APENAS aquilo de que se precisa. Poupa-se em várias frentes, especialmente se seguirmos a lista de compras à linha. 

- Deitar o mínimo dos alimentos fora

Existem milhentas formas de aproveitar os alimentos atá ao fim... as nossas avós já o faziam mas nós, habituados ao fácil, desperdiçamos muito. Mandar fora a parte verde dos alhos franceses, as cascas das batatas e das frutas... isso está fora de moda. Até porque as cascas são a parte com mais vitaminas dos alimentos. 

Seja em cozinha (veja-se o exemplo de muitos restaurantes que apreveitam as cascas das batatas para fazer chips) ou nas limpezas (a casca do limão é ideal para limpar fornos e micro-ondas) as opções são mais que muitas e assim aligeiramos o nosso caixote do lixo e a nossa carteira. 

- Encher a pia para lavar a louça

Sim, sim... lavar a louça com a água a correr é um desperdicio de água e de detergente. Enche a pia e deixa-te de tretas. Outra opção para poupar enquanto lavas a louça será a de optar por um sabonete sólido (como por exemplo o sabão de marselha SEM glicerina) que limpa a louça e é natural e muito menos poluente para as águas que os líquidos que compramos no comércio. 

Pessoalmente utilizo um detergente biológico que compro na minha loja que vende a vulso e cuja embalagem é sempre a mesma. 

- Diminuir a utilização de guardanapos

Opta por guardanapos de pano (por exemplo) são mais caros mas muito mais ecológicos, bonitos e duram muito mais tempo. Desiste de tentar limpar tudo e mais alguma coisa com papel absorvente. Um pano microfibras faz o mesmo, ou melhor efeito, e podes usar e voltar a usar. 

- Lança-te na cozinha e faz os teus próprios pratos

Esta semana encomendei pizza (uma semana de muito trabalho e em que nenhum dos dois tinha vontade de cozinhar) e a quantidade de cartão que mandei fora foi assustadora.. por isso se queres poupar e acima de tudo comer melhor e saber o que comes faz tu a tua própria comida. Esquece os pratos preparados (cheios de sal, açucar e outros conservantes mais ou menos terríveis para a saúde) e opta por um dia de dedicação à cozinha. Podes sempre fazer a comida para uma boa parte da semana e congelar porções que poderás comer mais tarde. Ao início é chato mas com o tempo é sentir-te-às muito melhor. (Mas pronto... um dia de preguiça ou de prazer é tolerado de vez em quando... nada de cair em exageros!)

Espero que tenham gostado deste post. Gostaria de ter o teu feedback nos comentários, sim? Assim como as tuas ideias para diminuir a produção de lixo e poupar dinheiro na cozinha! 

Não te esqueças também de fazer gosto na página do Facebook do blog. 

Um grande beijinho

Margarida

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D